sábado, 19 de junio de 2010

ADRIANA

Estoy en una etapa lusófona, lo reconozco. Lusófona y periférica. Hay lenguas como el portugués, hechas para la melancolía y la nostalgia, para las caricias y los susurros que se quedan atrapados en las inexplicables periferias de nuestros sentimientos, en los inexplicables márgenes del tiempo y de la vida, donde mora desde ayer y para siempre don José Saramago.
BUEN FIN DE SEMANA

Adriana Calcanhoto: Uns versos

Sou sua noite, sou seu quarto
Se você quiser dormir
Eu me despeço
Eu em pedaços
Como um silêncio ao contrário
Enquanto espero
Escrevo uns versos
Depois rasgo
Sou seu fado, sou seu bardo
Se você quiser ouvir
O seu eunuco, o seu soprano
Um seu arauto
Eu sou o sol da sua noite em claro,
Um rádio
Eu sou pelo avesso sua pele
O seu casaco
Se você vai sair
O seu asfalto
Se você vai sair
Eu chovo
Sobre o seu cabelo pelo seu itinerário
Sou eu o seu paradeiro
Em uns versos que eu escrevo
Depois
rasgo

1 comentario:

El transcriptor dijo...

Ó Lula, então em português escreveremos hoje. Obrigado pela música da Adriana.

Beijinhos, ou beijins, que assim dizem nalgumas partes do Brasil.